Duas Visões do Contrabaixo

Tenho duas visões distintas do meu instrumento. Visões distintas que sempre se intercalam. Uma é a do instrumento de linhas horizontais melódicas que conduzem ou solam, dão cor, envolvem uma música. Um instrumento falante, tão falante como nossa língua. O outro é um instrumento mais ligado a terra, ao fogo e às raízes rítmicas. Esse é mais percussivo, pulsante como as batidas do coração, que atinge o chacra diretamente. Pra mim, nós baixistas somos seres anfíbios. Perambulamos na terra e na água. Rítmo e melodia. Harmonia também. Fazemos o elo da sessão rítmica de uma banda com a sessão melódico-hamônica. Conduzimos as dinâmicas e temos consciência de todo o resto, temos que estar conscientes do baterista ou percussionista, temos que estar conscientes dos instrumentos harmônicos. Fazemos um belo passeio na música.
Esse disco me dá uma sensação de amplitude nesse sentido. Ele me dá maior percepção do todo. Estou realmente gostando muito da experiência. E em se tratando de um disco que aborda a minha latinidade (no Brasil, nem sempre temos essa consciência; em linhas gerais, não procuramos conhecer a cultura dos países vizinhos da América Latina), tenho tido a oportunidade de aprofundar minha visão de mundo através da música.
O baixo que fala, o baixo que pulsa, amor e música, amor à música.

 

CH Straatmann – Efecto Vertigo (Gravações)

No último dia das sessões de gravação de “Efecto Vertigo”, tive a alegria de receber um amigo de longa data em estúdio: Cássio Nobre.

Cássio é responsável por muitas coisas que nortearam meu caminho musical durante todos esses anos. Começamos a trabalhar juntos na Dois Sapos e Meio, por volta de 97/98. Foi ele quem mais me incentivou quanto à importância do estudo e da pesquisa em música, que são fundamentais a quem quer se dedicar a esse ofício. Através dele, conheci diferentes ritmos,  músicas das mais variadas, e trabalhamos juntos em algumas ‘gigs’ também. No caso de Cássio, suas pesquisas se aprofundaram tanto, que ele se tornou etnomusicólogo.

Dele também recebi grande incentivo no campo das composições, naquela época, ele era uma das poucas pessoas a quem eu me atrevia a mostrar minhas músicas. E sempre fui muito bem recebido por ele nesse sentido, o que me deu muita confiança para os anos seguintes.

Em 2007, Cássio me convidou para gravar o seu primeiro disco solo, “Última Pele”, e em 2008, excursionamos pelo Nordeste com esse show. Solovera, que está gravando e produzindo o “Efecto Vertigo”, também trabalhou com Cássio em “Ultima Pele”.

Na gravação que fizemos ontem, ele tocou viola de 10 cordas em duas músicas, e a ideia era criarmos uma atmosfera que reforçasse a identidade latina dessas composições.

Com vocês, um trechinho da nossa última sessão de gravação:

Bem vindos ao Efecto Vertigo!

Semana que vem têm início as gravações do meu primeiro trabalho solo. Há meses venho compondo e desenvolvendo ideias para esse disco, que em síntese, valoriza o diálogo rítmico da cozinha latina – contrabaixo/percussão.

Em março de 2012, tive a ideia de direcionar exclusivamente composições nesse sentido. Nesse período, intensivo de criação e pré-produção, devo ter composto 40 temas ou mais, com melodias, sessão rítmica (baixo e percussões), violões, arranjos,etc. O disco deve ter algo em torno de nove faixas que escolhi daquelas sessões.

Para a realização desse projeto convidei Jorge Solovera (produtor musical) e o percussionista Rudson Daniel. Ambos músicos com os quais tive o privilégio de trabalhar junto. Rudson já participou de importantes gravações dos Retrofoguetes (“Maldito Mambo!”, “Vênus Cassino”) e é um músico de mão cheia, um cara que groova ao extremo e que comprou a ideia do disco desde a sua primeira audição. Solovera é um fantástico guitarrista chileno com o qual tenho tido a sorte de compartilhar do seu talento em alguns projetos, durante os quais, pudemos conversar sobre esse disco, e finalmente, convidei-o para produzir.

Vou registrar todo o processo com fotos, textos e imagens e postar tudo por aqui.
Espero que vocês gostem, tem sido uma experiência maravilhosa e desafiadora transitar pelo universo da música latina.

Sejam bem vindos ao “Efecto Vertigo“.

CH Straatmann