CH Straatmann – Efecto Vertigo (Gravações)

Chegamos ao quinto dia de gravações do Efecto Vertigo (acho que não falei ainda, o álbum é instrumental). Um dia bastante puxado pra mim, pois tinha que gravar vários instrumentos; baixos elétricos, baixos acústicos, solos, violões, melodias.

Comecei por uma música que tem uma batida africana frenética, ainda com nome provisório. Uma música rítmica, que não segue os padrões de um tema convencional. Praticamente não há melodia, tentei experimentar algo diferente, um tema desenhado por uma linha de baixo elétrico, acompanhado por uma forte sessão percussiva. No meio fiz uma improvisação de baixo. Esse som era uma dúvida pra mim, se entraria ou não no disco, pelo seu caráter experimental. Hoje é uma das músicas que mais gosto.

Na sequencia parti para a gravação de baixo acústico de 3 músicas. Duas delas com solo de baixo. Baixo acústico é sempre um desafio, um instrumento de grande porte, sem trastes, que pelo menos pra mim, exige bastante fisicamente. Tiramos um bom som dos microfones e finalmente terminamos essa etapa, das mais importantes, nesse projeto.

Depois fiz mais alguns baixos elétricos, e em sequência, os violões. Dessa vez, utilizamos violões com cordas de nylon e de aço.

Missão cumprida, e quando anoiteceu, pedi a Solovera (engenheiro de som e produtor), que fizesse um solo em uma música. Se você tem Jorge Solovera produzindo seu disco, posso lhe garantir que é um pecado grande não convidá-lo a fazer um solo.Solove é um exímio guitarrista, altamente versátil, e domina muitas linguagens diferentes em seu instrumento.  Por sinal, um solo belíssimo em um dos temas (infelizmente não filmei, mas poderá ser conferido quando o disco sair). Obrigado Solovera!

Abaixo um vídeo desse dia.

 

CH Straatmann – Efecto Vertigo (Gravações) #1

Hoje iniciaram-se as gravações do meu primeiro projeto solo, “Efecto Vertigo”.
Começamos gravando as percussões de três temas.  Montamos o set de percussão de Rudson Daniel e  gravamos primeiro congas, depois bongô, timbales, guiro, campanas. Colocamos alguns microfones à distância, para aproveitarmos melhor a ambiência da sala e conseguir um som bem característico para o tipo de música que estamos fazendo, tudo sob os cuidados atentos de Jorge Solovera. No final gravei o baixo para uma Cúmbia. Feliz com os resultados que alcançamos hoje!
Abaixo um pouco do que foi o nosso primeiro dia.
Abraços, CH.